Infância

Minha mãe doente e a culpa me persegue

17:15 Anna Vlis 40 Comments


Olá, quero agradecer sua presença neste blog, sua visita me incentiva a continuar escrevendo e contando um pouquinho mais da minha vida, dores e amores. 

Abuso infantil


Minha intenção é que eu possa de alguma forma ajudar pelo menos uma pessoa, que passou ou está passando por algo parecido e que essa pessoa entenda que sofrimentos na vida são inevitáveis e mesmo tendo passado por momentos terríveis, não sou uma pessoa infeliz nem revoltada, muito pelo contrário.

Espero realmente poder ajudar alguém, essa é minha intenção.



Como disse no post anterior ( aqui ), minha mãe depois do sério desentendimento que teve com a vizinha, nunca mais voltou a ser a mesma, ela andava estranha, ás vezes não falava coisa com coisa mas isso não era todo tempo, naquela época eu não entendia, mas minha mãe já estava começando a ter problemas mentais, acredito que por causa da quebra do resguardo, mas não sei dizer se ela já tinha esse problema antes, pelo fato de ser muito pequena, eu estava com 06 anos, não conseguia perceber certas coisas, algumas atitudes vista por mim na época como normal hoje percebo que não eram.


Então aconteceu algo que fez com que eu perdesse o carinho da minha mãe, não sei se foi esse fato que ocorreu ou a evolução da doença, minha mãe nunca foi muito carinhosa comigo, mas desde esse dia nunca mais ouvi uma palavra de carinho dela, nem tive sequer um abraço.



Era um dia chuvoso, Teresina não era de chover muito, mas acontecia rsrs , eu estava catando gravetos para acender um fogareiro, estava difícil porque a maioria dos gravetos que eu encontrava estavam úmidos e eu não conseguia fazer com que pegassem fogo, depois de bastante tempo consegui, minha mãe gritava para que eu andasse rápido, era o que eu estava tentando. 


Então em meio aos gritos da minha mãe, a filha da vizinha que implicava com minha mãe passou e me xingou (ofendeu) e xingou minha mãe (para mim), peguei a primeira coisa que vi na minha frente, e deu uma pancada nela. Ela foi chorando para casa, era mais velha que eu uns 2 anos, mas eu senti tanto medo porque ela tinha uma irmã "grande" , fiquei apavorada, corri para dentro de casa, pedi papel para minha mãe e disse que ia no mato, não tínhamos banheiro em casa, então era comum fazer as necessidades no mato, desde aquele dia toda vez que fico muito nervosa sinto dor de barriga.


Se passou algum tempo, o que pra mim parecia um século, pode ter sido não mais que poucos minutos. Eu ali tremendo e escondida no mato, então ouvi gritos e uma barulheira enorme, fui devagar, meu coração disparava, mal conseguia respirar, então vi uma cena terrível, a mãe da menina, as tias e a filha( a irmã grande), estavam todas batendo na minha mãe enquanto uma vizinha segurava meu irmão pequeno no colo.


Ninguém fazia nada para separar, eu corri, tentei morder a mãe da menina e levei um murro e voei longe, lá do chão, na lama eu não conseguia entender por que ninguém ajudava minha mãe que lutava bravamente, eu me levantei e levei mais um soco, então um homem afastou a briga, gritou com a mulher que me bateu e mandou eu e minha mãe entrarmos, minha mãe pegou o meu irmão, ela estava toda machucada, eu chorava muito, tentando não fazer barulho para não irritar minha mãe. Vê minha mãe sofrer aquilo por minha causa, doía muito, doía muito não ter forças para defender ela, doía muito não conseguir fazer nada e saber que era minha culpa.


Por causa de muitos desentendimentos com vizinhos e pelo problema de saúde da minha mãe que só se agravava, ela decidiu mudar de casa, nunca soube o que aconteceu com a casa que meu avô deu para ela, ela passou a pagar aluguel em outro bairro da cidade de Timon- MA, durante um tempo(uns 3 meses), a vida correu normalmente.


Então minha mãe conheceu um homem, com quem fomos morar , eu, minha mãe e meu irmão.


Era um homem negro, gordo e bastante barrigudo, todos os vizinhos adoravam ele e ele adorava crianças, ele viajava muito, não consigo me lembrar em que ele trabalhava e quando voltava trazia um baú cheio de doces coloridos e deliciosos, ele sustentava a casa e minha mãe não precisava mais trabalhar, mesmo minha mãe fria e distante, tudo parecia que iria se encaixar.



Então em uma tarde,minha mãe tinha saído para ir ao hospital levando meu irmão para tomar vacina, meu padrasto estava deitado na rede e me chamou para deitar com ele e começou a me tocar, eu me senti mal e pedi para ele parar, ele disse:


- Eu sou seu pai agora e te amo muito, isso que tô fazendo é para mostrar que te amo.

- Não conta nada para sua mãe é nosso segredo viu?

Eu não entendia o que estava acontecendo,só sabia que não gostava...(
continuação aqui)


Conteúdo que pode te interessar

40 comentários:

  1. Olá, Annis! Certissima em partilhar sua historia com outras pessoas: você estará ajudando alguém, com certeza! Continue postando esse belíssimo testemunho. Ah, acho que você repaginou seu blog, esta lindo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adriana obrigada, espero ajudar. O blog ainda é o mesmo template, é que tenho vários, e você deve ter ido em outro, mas o pessoal, onde conto minha vida, é só nesse rsrsrs bjinhos lilás e obrigada!

      Excluir
  2. Anna a cada capítulo me emociono com a sua história, realmente muitas pessoas podem está passando ou passou por isso, o seu testemunho de uma certa forma vai ajudar alguém, Anna bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É o que espero Lucimar, pode dá esperança para alguém que está passando por algo assim e perdeu a fé, que tudo pode e vai melhorar, acreditar é poderoso.

      Excluir
  3. Anna, parece ficção!!! Mas sabemos que histórias tristes e difíceis como a sua são mais comums do que parece, a arte imita a vida...parabéns e continue sua jornada com fé.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sandra, sim parece, e ainda tem coisa para contar menina, quando reflito sobre minha vida, tenho a sensação que vivi várias vidas nessa. Mas tudo que relato nesse blog é real e aconteceu comigo.

      Excluir
  4. É amada sua historia e triste e emocionante, sabe amada continue a postar seu testemunho é uma forma de soltar todos os sentimentos que está no seu coração, e tenho certeza que vai ajudar muitas pessoas que estão passando por isto, ou que já passou! beijinhossssssssssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Rúbia, isso que você comentou é extremamente importante para quem passa por tudo como passei, soltar esses sentimentos, eu aprendi a soltar, antes mesmo de começar o blog, já faz anos que estou bem e feliz, por isso quero ajudar quem possa precisar.

      Excluir
  5. nossa! posso dizer que é um conteúdo muito contemporâneo. as brigas de rua comuns na internet e o caso de abuso. Sou pesquisador de Direitos humanos e trabalho diretamente com garantia de direitos de crianças e adolescentes e sempre me deparo com situações como essas. Atualmente estou me envolvendo com abuso de crianças ribeirinhas nas ilhas do norte do país. O caso das meninas balceiras do Marajó é um caso novo que ando me envolvendo. Adorei sua narrativa; digna de romance fantástico.
    Abraço e não esqueça de divulgar a continuação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Abuso é algo que está muito presente em nossa sociedade, conheci muitas e muitas meninas e meninos que passaram por isso ao longo da vida, é sério e grave e o pior em sua grande maioria quem comete essas atrocidades são os responsáveis por zelar por essas meninas e meninos. É das meninas balceiras ouço falar desde 2012, é realmente de doer a alma saber que pouca gente se importa, fico feliz que esteja envolvido, espero que possa fazer algo por elas.

      Excluir
  6. Olá Anna!quando achei que você já tinha sofrido o bastante junto a sua mãe vem mais este episódio sofrido,emocionante,é bom soltar mesmo além de fazer um bem enorme para você ainda ajuda muitas pessoas que já viveu e vive esta realidade,você é uma guerreira.Deus te abençoe e te faça bem feliz sempre!Bj♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha querida Maria José, sofrimento foi o que não faltou. Não me considero uma guerreira e sim uma sobrevivente, mas obrigada de coração <3 <3

      Excluir
  7. Sabe amiga,compartilhar nossas lutas é antes de tudo uma terapia e certamente irá ajudar muitas pessoas.Bjus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Tania, espero que ajude alguém mesmo, se conseguir ajudar 01 única pessoa, já atingi meu objetivo. Bjinhos

      Excluir
  8. Nossa que história forte, me veio lágrimas nos olhos, mas espero a continuação com coisas boas que certamente deve ter acontecido em algum momento para você ter essa coragem de vim aqui contar sua história para nós.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Beatriz sinto muito por ter te feito chorar. Demorou mais aconteceu coisas boas sim. Bjinhos

      Excluir
  9. Nossa, Anna...Cada parte da história que vc conta parece cena de filme de terror, surreal! Não dá para imaginar como alguém consegue passar por tudo isso e ainda prosseguir...indo para a terceira parte.

    Um beijo grande. E mesmo estando longe, sinta um abraço bem apertado meu. ❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, era mais ou menos um filme de terror. Muito obrigada pelo carinho, senti aqui seu abraço <3 bjinhoss

      Excluir
  10. Que história Anna. 💔
    É triste ver quão cruel as pessoas podem ser... E você, sendo uma criança tão pequena, ter que presenciar tudo isso😢
    Mas pelo que pude perceber isto a tornou uma mulher forte. Parabéns por compartilhar sua história. Super beijo 😘

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada linda por seu comentário, bjinhos

      Excluir
  11. Oi.
    Sua história de vida é muito triste.
    Tenho certeza que ela ajudará muitas pessoas que passaram pelo mesmo problema.
    Espero que contar o que aconteceu esteja lhe fazendo bem.
    Abrçs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha linda contar não me incomoda como antes, só alguns posts que foram muito difíceis de escrever, mas só decidi contar no blog quando percebi que estava forte o suficiente para isso, bjinhoss

      Excluir
  12. Amiga , sua história é muito triste e infelizmente igual a de muitas crianças e com certeza vc está ajudando a outras pessoas,por isso sou a favor de ouvir sempre as crianças porque elas precisam de ajuda muitas vezes e os adultos não lhes dão importância,bjs e Deus te abençoe grandemente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Deus te abençoe tbm minha linda. Sim devemos sempre ficar atentos as crianças, eles sempre demonstram quando estão passando por problemas.

      Excluir
  13. Amiga,fiz meu comentário na continuação da história,ok?

    ResponderExcluir
  14. É estranho como as histórias se parecem, confesso que não passei nada do que você passou, não desse jeito, mas temos algumas semelhanças, e de certa forma isso me consola, é bom saber que nem sempre somos as únicas a sofrer abusos ...
    Minda
    Bjs ❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sinto muito pelos abusos que passou, espero que tenha superado, bjinhos e força

      Excluir
  15. Minha amiga que historia de vida. Que sofrimento meu Deus.. tanta falta de respeito tanto preconceito, foi pelo preconceito do povo q vc e sua família sofreu.. Que homem sujo.. monstro mesmo.. Olha eu ate entendo antigamente a mulher, mas hoje sou contra a mulher q casa e tem cada filho de cada homem. se antes acontecia abuso infantil. hj com internet e conhecimento é muito maior.. e hoje tem homem q fazer isso, vamos rezar para q ñ aconteca mais com nenhuma criança o q aconteceu contigo.. Dou graças a Deus q tive um pai maravilhoso e q era um homem de verdade e nunca fez sequer nada comigo a nao ser me protegido e me dado muito amor de filha.. Fico revoltada quando vejo isso, revoltada mesmo.. Não precisa ser pai, mas precisa ter respeito... Ansiosa para a continuação.. bjs e sucesso e que Deus te proteja

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Karina minha linda, achar que todo padrasto é abusador é generalizar e isso não é certo. Conheci diversas meninas ao longo da vida que sofreram abusos do pai, irmãos, primos e tios, então o problema é estarmos atentos em quem nos rodeia. Você então será contra eu, porque mais para frente vou relatar sobre meus filhos, mas o que posso dizer é que estou com um marido maravilhoso que não é o pai de todos os meus filhos ( tenho 04), mas sempre foi respeitador, minha mais velha com 20 anos( na época 7) o chama de pai e o ama( como todos os outros), mas pelos abusos que sofri, sempre fui muito desconfiada e sempre fui cuidadosa com quem tinha acesso aos meus filhos e claro sempre pedi a direção de Deus, cometi muitos erros, mas com meus filhos sempre tive muito cuidado.

      Excluir
  16. Não sei o que dizer a você nessas horas, pois acredito que é uma coisa bem pessoal e só que as vive sabe o melhor a se fazer
    Achei emocionante e muito bom de sua parte, além de corajoso de publicar um pouco da sua vida, desejo que as coisas melhorem para vocês e que tenha fé o suficiente para lhe dar forças nessas situações
    Espero que você consiga achar um melhor caminho e saúde para suportar todos obstáculos que a vida vem ou posso colocar no seu caminho

    Beijos
    Rafael

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Raphael, hoje estou muito bem, só cicatrizes, por isso mesmo decidi compartilhar, sei que vão ter coisas que passei onde serei muito julgada, mas estou forte, equilibrada, madura e preparada para o que vier, só estou relatando para quem passou ou passa por isso nunca desistir de ser feliz, pois a felicidade é possível e a dor pode ficar tão pequena que chegue a quase desaparecer.

      Excluir
  17. Nossa amiga, que situação a sua!!!
    Uma menina de 6 anos passando por esses problemas.
    Aguardando o restante da história.Bjsss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, não é fácil, já tem continuação,bjss

      Excluir
  18. Que história emocionante, uma um adulto passar por osso ja é difícil imagina uma criança! Esperando anciosamente pela continuação!
    bjus

    ResponderExcluir
  19. Que história forte...
    Não sei se teria coragem de compartilhar...
    Espero que te ajude a resolver seus problemas internos, e que sua mãe fique bem.. è meu desejo mais sincero!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana Paula, sinceramente escrever não é fácil, relembrar. Mas uma vez o Marco Gomes( criador da Boo-Box) me disse uma coisa que me marcou, vou compartilhar exatamente como ele disse: "Sabe qndo a nossa história é maior que nós mesmos? Manter ela só p/ nós é egoísmo, precisamos fazer o que precisa ser feito: usá-la p/ ajudar os outros."

      Excluir
  20. amiga e dificil mas se voce ja esta a escrever e um bom sinal que deus te abençoe a culpa nunca sera sua ,deus te ilumine

    ResponderExcluir