Infância,

O início: Deixando Brasília, a chegada em Teresina e um novo membro na família!

12:56 Anna Vlis 51 Comments





Vou começar a contar minha história pela parte mais remota da minha lembrança, os 5 anos de idade.

 Eu era uma garotinha falante (o que não mudou muito rsrs) , sorridente e um pouco solitária, já que não tinha irmãos, morávamos eu e minha mãe em Brasília-DF, na cidade satélite de Cruzeiro Novo (em Brasília não tem bairros e sim cidades satélites), a primeira lembrança mais forte é eu estar andando de velocípede embaixo do prédio, estava chovendo,e eu estava muito feliz, pois havia acabado de ganhar aquele lindo velocípede de um morador da quadra (minha mãe trabalhava como zeladora) e ao ganhar o presente senti uma sensação tão maravilhosa que mal posso descrever, eu mal sabia que minha vida de inocência e felicidade estava tão próxima do fim.





 Minha mãe tinha asma e o frio de Brasília-DF só piorava sua saúde, então ela decidiu voltar para sua terra natal Teresina-Piauí, juntou o pouco de dinheiro que conseguiu para as passagens e fomos embora do lugar que eu conhecia como lar, nada mais era do que um quartinho embaixo do prédio, que mal cabia a beliche, um fogão, uma mesinha e um minúsculo banheiro, mas era tudo que eu conhecia como lar, minha melhor lembrança da infância, quando não havia traumas nem dores, naquela época meu maior sacrifício era pegar meu copo de café com leite na mesa.


 A viagem para Teresina foi longa, vários dias em um ônibus, o que se tornou uma aventura(detestei a parte de ficar em uma fila enorme para tomar uma vacina com uma agulha gigante).

 Chegamos, naquela cidade tão diferente de Brasília, uma cidade quente(muito quente), com muitas casas baixas, não vi prédios, como eu estava acostumada a ver  e então pegamos outro ônibus e fomos para uma cidade chamada Timon-MA ,chegamos em uma casa humilde, de porta de palha, casa de barro, de lá saiu um homem muito alto(para uma criança de 5 anos,era um gigante) ele era  bastante negro e tinha um rosto muito sério, sofrido, me escondi atrás da minha mãe, então ela disse:

- Minha filha este é seu avô, meu pai.
Ela me explicou que iríamos morar uns dias com ele até ela encontrar um emprego e podermos morar em outra casa.
Meu avô Luiz Ferreira era uma pessoa calada, um homem que foi abandonado pela esposa, minha avó Neusa (que nem eu e nem minha mãe chegamos a conhecer) e criou a filha sozinho, ele era rígido na criação da minha mãe, nunca deixou ela ir á escola, mas ele mesmo a ensinou ler e escrever(e muito bem).


 Logo minha mãe arranjou um emprego como faxineira em casa de família, meu avô usou umas economias e comprou uma casinha humilde para minha mãe(já que eles não se davam muito bem na convivência), quando mudamos para a casinha que ele comprou, eu sentia falta dele, ele tinha um cheiro engraçado e fez uma vassoura para mim pequena(essa era a profissão dele, fazer vassouras de palha), aquela vassoura se tornou meu xodó por muito tempo.


 Então estávamos na casa "nova", a porta não era de palha, era de madeira, aquelas que abrem em duas partes,parte de cima e de baixo, o teto era de palha e tinha muitos buracos e a parede de barro, mas logo que mudamos e saíamos nas ruas para conhecer o lugar, eu percebi que os vizinhos olhavam estranho para nós, eles cochichavam quando passávamos, eu não conseguia entender o preconceito que havia na época por causa da minha mãe ser mãe solteira. 

 Quando minha mãe não estava fazendo faxina na casa de  alguma família(eu junto brincando em algum cantinho) ela me ensinava a ler e ensinou muito bem, quando completei 6 anos já sabia escrever e ler.

 Mesmo minha mãe trabalhando bastante, passávamos muitas dificuldades e a pior de todas era a fome, um dia eu estava com tanta fome que saí lambendo todos os comprimidos da minha mãe(eram  vermelhos e docinhos na parte de fora), quando ela chegou e viu todos os comprimidos no chão me deu uma surra, eu fui dormir com fome e dor.

 Lembro de um dia que choveu bastante(em Teresina não era frequente) e tivemos que ficar as duas debaixo da mesa, por que tudo molhava.

Então um belo dia a nossa rotina mudou,começamos a sair,eu minha mãe e um homem. 
Minha mãe tinha começado a namorar, me dizia que eu teria um pai(não conhecia o meu).
Em um desses passeios, estávamos em uma praça, eu falei:

- Mamãe estou com fome.
- Minha filha vá brincar ali no banco.
Então em um ato grandioso o namorado da minha mãe comprou um BALÃO para mim e me mandou ir brincar pra lá.
 Eu lembro que minha barriga doía muito, eu chorei quietinha(afinal não queria apanhar), nesse dia comi um pão somente, antes de dormir, minha mãe nada comeu.

Algumas semanas depois  paramos de sair para passear e eu parei de ver o namorado dela ir lá em casa, minha mãe vivia chorando, ela andava muito triste, falavam mal dela e a ofendiam (o namorado dela era casado,e lhe havia abandonado,só fui descobrir e entender isso depois ) e pior ela ficou grávida, só chorava e mal tinha forças para ir trabalhar, ela teve uma gravidez muita difícil.

Então o grande dia chegou, eu fiquei na casa de uma conhecida dela e quando ela voltou, trazia nos braços um "serzinho" pequeno, chorão e que tinha uma coisa estranha no meio das pernas.

Minha mãe tinha poucos dias que havia chegado em casa com o bebê no colo, um menino e então logo tudo iria piorar, os vizinhos eram cruéis com ela e em um dia terrível, uma vizinha discutiu com minha mãe(não sei por que), chamava ela de quenga(o que seria o mesmo que prostituta) e então jogou uma chaleira de água quente nela, minha mãe ficou mal e acredito que tenha quebrado o resguardo(período de até 02 meses depois do nascimento de uma criança), pois já começava a falar coisas estranhas, começando a ter problemas mentais...(continuação aqui)

Conteúdo que pode te interessar

51 comentários:

  1. Amiga..... amei a iniciativa.... e o layout ficou lindo....... nem sonhava que vc já tinha passado por tanta coisa.... roendo as unhas aqui p saber o resto da história..... Saudade de vc... bjs

    ResponderExcluir
  2. Anna que incrível a sua história, poxa como é triste pensar que essas coisas ainda existem, sua mãe sofreu muito com os vizinhos cruéis, Anna bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada linda, ainda tem muita coisa por vir, não deixa de acompanhar e comentar minha linda <3

      Excluir
  3. Anna, tenho que comentar que vc está sendo muito corajosa em postar sua história assim tão abertamente. Pelo que li não foi nada facil sua infância, nem consigo imaginar o quanto. Espero que tenha um final muito feliz :)

    Beijos
    Fran
    Achei e Rabisquei

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada linda, espero que possa continuar acompanhando e comentando, sim, foi difícil e teve coisas piores, mas o final tbm espero que seja feliz( afinal quero morrer feliz rsrsrs), mas estou bem e feliz no momento, espero que seja menos da metade da história ainda (morrer bem velhinha neh).

      Excluir
  4. Oi, Anna.
    Fiquei super sensibilizada com sua história. Achei muito legal você querer contar sua história. Curiosa por mais.
    Abrçs

    ✿Blog: Autora Marcia Pimentel✿ ✿Instagram✿ ✿Twitter✿

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Márcia linda, muito obrigada, espero que continue acompanhando e comentando, bjão!

      Excluir
  5. Anna, que história comovente...parece que é uma triste e linda história de superação, aguardando ansiosa e com muito respeito a continuação.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada por sua mensagem minha linda, continuação dia 31 <3

      Excluir
  6. Anna, a vida é assim cheia de idas e vindas. Fico feliz que tenha feito dos obstáculos degraus para subir bem alto. Vou continuar acompanhando!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, ainda bem que existe essas idas e vindas e podemos sair de momentos terríveis, bjão meu anjo, fico feliz por sua mensagem.

      Excluir
  7. Ai Ana, que estoria de vida a sua, e imagino o preconceito que sua mãe sofreu,e olha que isso por incrivel que pareça ainda existe, e agua quente deve ter queimado muito né,agora no final vc coloca que continua... não vale, mas eu vou esperar...
    Bjus e uma ótima semana pra vc...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, ela sofreu demais, infelizmente, sim doeu muito, continua sim, obrigada por acompanhar, bjão <3

      Excluir
  8. Anna,obrigada por compartilhar sua história conosco.A vida é assim mesmo,é matar um leão por dia,mas junto vem o aprendizado que leva a realização.bjus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que agradeço por sua presença qui, verdade, nada melhor do que tirar uma lição de cada batalha, bjão <3

      Excluir
  9. Oi Anna,boa noite!
    Que história linda,triste mas linda!
    Nossa sua mãe sofreu muito,e vc também,consequentemente!
    Estou ansiosa para ler a continuação da história da sua vida,amiga!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada linda por seu comentário, bjão

      Excluir
  10. Amada muito obrigado por compartilhar sua historia,pelo que li sei que foi muito triste, mais tenha certeza que Deus estará sempre com você, beijinhossssssssss

    ResponderExcluir
  11. Quanto sofrimento hein Ana, nossa! Aguardando a continuação. Beijos e muita força pra te.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim foram mesmo, mas tudo que não nos mata, serve de lição, bjinhoss <3

      Excluir
  12. Olá Anna!Incrível sua história!Emocionante e com muitos desafios,sua mãe guerreira e muito sofrida e você também certamente,espero que a continuação dessa história traga vitórias pois até aqui só tristeza,crueldade que fizeram com sua mãe.Aguardando o final ansiosa,sofrimento e injustiças me deixa muito triste.Deus Abençoe você e sua família. Bj♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não fique triste, tudo isso já passou, a vida tem sempre muitos desafios, mas os meus só me deixaram mais forte, bjinhos <3

      Excluir
  13. que linda historia amiga quedelicia ter algo assim para se compartilhar com amigas parabens

    ResponderExcluir
  14. Quanta dificuldade hein, amiga?
    Mas me deixou ansiosa em saber da continuação.

    Bjo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, foram sim, muitas. Serão 02 artigos por mês, todo dia 11 e no último dia do mês.

      Excluir
  15. Que história hein Anna. Parabéns por compartilhar um pouco da sua história conosco. Aguardo a continuação.

    Super beijo 😘

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, dia 31/01 a continuação, bjinhoss

      Excluir
  16. Nossa amiga, fiquei curiosa em saber o resto da história.
    Te dando os parabéns por expor a sua história aqui, não são todos que fazem isso.Aguardo o restante da história.Bjsss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada linda, sim não é fácil, pois para fazer isso é obrigada estar preparada para os julgamentos, mas acredito estar madura o suficiente para isso, muito obrigada pela força!

      Excluir
  17. Olá Ana!
    Nossa que história linda e ao mesmo tempo triste moça...Nunca passei dificuldades com minha familia.. mas com sua historia parecia que era eu vivendo o que você viveu, nossa que muito interessante e tenho certeza q vc cresceu muito espiritualmente com isso tdo.. Quero saber noticias de sua mãe? como ela ta hj? bjs e sucesso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo comentário linda, se puder acompanhar eu ia adorar, vou contar em breve, bjão.

      Excluir
  18. Oi Anna, que história ein?! Aguardando a continuação para que venham dias melhores.

    Bjokas da Vaci :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, continuação em breve, bjinhos

      Excluir
  19. Oi Anna , essa sua história é muito triste mas , infelizmente existem muitas histórias parecidas com a sua por conta da maldade do ser humano,no meu tempo de criança a mãe solteira ou a mulher separada era discriminada pela maioria das pessoas ( pura maldade ) sua mãe sofreu muito e vc teve muita coragem de contar a sua história que me fez sofrer junto e no final tem continuação ...aguardo para saber o desfecho , vc e sua mãe tem todo meu respeito e carinho ,bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, muito obrigada por seu comentário, sim as pessoas tinham muito preconceito com mulheres separadas, infelizmente isso ainda acontece em algumas cidades interioranas, seria maravilhoso se as pessoas dessem mais valor ao amor e respeito ao próximo do que ao preconceito. Continuação em breve, dia 31/01 . Bjinhos e obrigada de novo.

      Excluir
  20. Uma estória bem legal, que prende a cada linha, vou querer saber mais

    Beijos
    Rafael

    ResponderExcluir
  21. Layout lindo do blog ...
    A vida é tão interessante, conhecemos as pessoas através da internet e geralmente não sabemos como é ou foi sua vida desde a infância, gostei de conhecer um pouco de ti, agora estou curiosa para saber mais ...
    Minda
    Bjs ❤

    ResponderExcluir
  22. As vezes passamos por momentos bem complicados mas Deus da a prova de não podemos baixar a cabeça nunca vc passou por muitas aprovações e vizinhos sempre vai ter os q jugam por não conhecer realmente a pessoa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eliane verdade, devemos sempre manter a cabeça erguida, muito obrigada por seu comentário, bjinhos lilás!

      Excluir
  23. Olá, Anna, desculpas pelo lapso não tinha visto sua postagem. Que bela história e triste também....Mas olha que você poderia escrever um livro hein?! Parabéns pela iniciativa de compartilhar sua história de vida conosco!! Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adriana obrigada por seu comentário! Quem sabe não sai um livro de tudo isso? Bjinhos.

      Excluir
  24. Olá Anna,
    Que linda e triste sua história, ótima iniciativa compartilhar a sua história.
    Já pensou em escrever um livro?
    Beijos.
    Marília Merlino Blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já, mas não me acho qualificada ainda, quem sabe um dia, bjinhos linda <3

      Excluir
  25. Nossa, que história intensa. Gostei do seu estilo de relatar um caso tão triste e ao mesmo tempo belo. Abraços!

    ResponderExcluir