Infância

O meu teto é as estrelas.

12:39 Anna Vlis 70 Comments

Imagem Luiz Vaz . Se imaginarem essa menina de
cabelos cacheados  e mais escuro, parecia bastante comigo

                                                                   Post Anterior Aqui


Estávamos ali, sentados na praça Dom Pedro II, eu , minha mãe  que estava com Verônica no colo e meu  irmão Rodrigo ao lado, as horas passavam e minha mãe não tinha ação, na maioria das vezes seu olhar era distante, meus irmãos choravam com fome e minha barriga também começou a roncar, então vi que logo mais à frente tinha uma lanchonete, que vendia caldo de cana e pastéis, as pessoas jogavam no chão os restos e eu comecei a catar todos e beber os restos dos copos que ficavam no balcão, até ser expulsa por um funcionário.


Levei o que consegui pegar para minha mãe e irmãos, mas minha irmã tinha dificuldade de comer, não era acostumada, então peguei ela no colo e fui pedir dinheiro as pessoas, para comprar algo para ela beber.


Assim eram meus dias, pedindo esmolas e catando restos de comida,  aquilo virou rotina e quando não tinha nada no chão eu procurava na caçamba de lixo,  tomávamos banho no rio Parnaíba, próximo ao Troca Troca, nele eu lavava nossas roupas e ficávamos na água até secar, coisa que não demorava já que o sol em Teresina é extremamente quente.


Dormíamos no chão, em  papelões, lá não fazia frio, quando chovia procurávamos prédios com  a parte da frente coberto ( tipo toldos).

Somente eu pedia esmola, o Rodrigo era muito pequeno e minha mãe vivia no mundo da lua, eu que trazia comida, o pouco dinheiro que conseguia também era para comida, muito raramente sobrava para comprar alguma roupa.


Sentir o olhar de nojo, desprezo ou medo quando eu aparecia machucava muito, eu jamais roubei alguém, nem nada, mas quando fui pedir esmolas para um casal que a moça puxou rapidamente a bolsa para si e o homem me enxotou dali aos berros e me empurrando, não teve como não chorar, eu tinha 09 anos, não conseguia entender como alguém tinha medo de mim.


Os piores dias eram no domingo, tudo abria somente no período da tarde, então ficávamos sem comer até tarde.


Então um dia, eu voltava toda feliz, correndo para levar aos meus irmãos e mãe um monte de comida que havia ganhado de um senhor que era dono de um restaurante, eu gelei, não consegui me mexer, o monstro estava ali na frente da minha mãe, com minha irmã no colo, eu pensei em correr, mas minhas pernas não me obedeciam, eu estava completamente em pânico.


Ele passou por mim, com minha irmã no colo e a levou, naquele momento não fiquei sabendo, mas depois descobri que ele levou ela para "dar" para uma família que eram cumpadres dele, essa foi a última vez que vi minha irmãzinha.


Minha mãe em alguns momentos chorava e perguntava por ela, eu não sabia o que fazer.

De vez enquanto o monstro aparecia, eu sempre  ficava congelada, não tinha reação, algumas vezes me puxava pelo braço e me "castigava" em prédios abandonados e me ameaçava, ameaçava matar minha mãe e irmão na  minha frente e depois me matar.


 Minha mãe  engravidou novamente dele, teve um menino de nome Adir Filho, era um menino lindo e cheio de vida, mas que logo foi tirado da minha mãe pelo monstro e entregue para a  mesma família que adotou Verônica, mais um irmão que nunca mais iria vê.



Descobri que em um quartel , serviam café com leite e pão massa grossa(pão francês ou pão de sal) com manteiga pela manhã para moradores de rua, foi o melhor café que já tomei em toda minha vida(sabor parecido com nescafé com leite, mas só parecido, aquele era muito melhor), quando chegávamos tarde  e não tinha mais, eu sempre chorava, eu simplesmente amava aquele café, nunca tinha bebido algo tão delicioso.


Os outros moradores de rua não mexiam com a gente, ninguém me incomodou neste tempo, as pessoas de "bem" eram as que me faziam sofrer, com seus olhares cruéis, desprezo ou outras atitudes que machucavam muito, eu não me sentia um ser humano, me sentia um lixo, não tinha tido ainda contato com drogas, pois não chegava perto dos grupos que usavam, as pessoas que moravam na praça não deixava ninguém mexer com a gente, eu me sentia protegida lá, pelo menos quando o monstro não aparecia.


Eu era uma menina descabelada, suja, descalça e que não tinha motivos para sorrir, até que um dia (continuação Aqui)

Conteúdo que pode te interessar

70 comentários:

  1. Parabéns pelo belissimo texto, amei cada palavra, cheia de sentimentos. Obrigda por compartilhar essa historia, anciosa pra ler a continuaçao

    ResponderExcluir
  2. Oi tudo bem? *-*
    Que história linda irei continuar lendo ♥
    Parabéns

    ResponderExcluir
  3. Anna,

    Eu fico com os olhos arregalados ao ler seus relatos e ávida por ler suas continuações.
    Espero ansiosamente pela continuação, como sempre!
    Mais uma vez, parabéns pela coragem não só em compartilhar conosco experiências tão dolorosas, mas também por ter passado por isso tudo e hoje ser uma pessoa de bem e honesta, pois muita gente por bem menos já teria enveredado para caminhos tortuosos e sem volta.

    Bjs no coração e um abraço apertado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada minha linda, pelo carinho e comentário.

      Excluir
  4. eu me senti um lixo de pessoa agora. Essa é a realidade de muitas pessoas. Isso é muito injusto. vou continuar acompanhando seu blog. um beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Áry não se sinta assim, cada pessoa tem sua experiência de vida, suas dores, é assim mesmo a vida, não se sinta mal e sim grata por não ter passado por essas mesmas experiências. Fico muito feliz por seu comentário, grata!

      Excluir
  5. Até que um dia... aaa que curiosidade. Que história densa, triste. É bem desesperançoso saber que o mundo anda assim mesmo =\ essa maldade eminente, esse preconceito, crianças tendo de trabalhar pra dar o de que comer para seus entes e até mesmo tendo de cuidar deles. Infelizmente é uma realidade muito cruel e que existe a rodo em nosso país. Espero que aqui ela tenha motivo para sorrir

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim minha linda, uma triste realidade, espero que isso um dia mude.

      Excluir
  6. Muito interessante seu texto. Com certeza vou aguardar para ler o próximo. Parabéns!

    ResponderExcluir
  7. Que texto lindo, mesmo sendo um tanto quanto triste ainda assim é um belo trabalho e parabéns por consegui se expressar assim de forma tão clara apesar da realidade de tudo parabéns pelo seu trabalho

    ResponderExcluir
  8. Que linda história e deu para sentir todos os sentimentos :(
    É tão triste mas muitas pessoas passam por isso... e que venha a continuação!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, muita gente passa pelo que passei, espero que todos possam um dia utilizar essa experiência para adquirir algo de bom, que algo sirva de aprendizado como foi servindo pra mim, tudo que fui passando.

      Excluir
  9. Que história triste! Senti cada emoção colocada no texto. Parabéns!! Muito bem escrito e emocionante. Fiquei curiosa pela continuação. Kkk Beijijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico muito feliz que gostou e que tocou você, bjinhos

      Excluir
  10. Acredita me deixou de boca aberta agora, e uma realidade nua e crua que muitas pessoas passa e ainda tem gente que tem uma vida boa e reclama da vida, quero muito ler a outra parte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha linda, nós achamos que o outro tem vida boa, por ter algo que não possuímos (dinheiro, amor, família, seja o que for), mas isso não garante um bem estar consigo mesmo, nem felicidade, isso só um sentimento de gratidão pelo que temos, e aprendizado pelo que passamos pode nos trazer essa tão sonhada felicidade, hoje sou muito feliz e aproveitei cada momento de dor como aprendizado ao longo do caminho.

      Excluir
  11. Que história...Muitos sentimentos...Linda....É triste,Entendo,Mas tocou bastante a história,Pôs é realmente a realidade a triste realidade :(.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, ainda é a realidade de muita gente, bjs e obrigada pelo comentário.

      Excluir
  12. Adorei! Belo e triste mas retrata uma realidade

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo comentário, bjinhos lilás!

      Excluir
  13. Belo texto, história emocionante, infelizmente a realidade de muitos.
    Gostei muito do blog, parabéns. bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo comentário, bjinhos lilás

      Excluir
  14. Anna infelizmente nos dias de hoje muitas pessoas estão vivendo essa situação, pessoas dormindo no chão, criança pedindo esmolas, catando lixo para sobreviver. É uma história linda pois você conseguiu superar, mais ao mesmo tempo triste, parabéns pelo relato, não são todas as pessoas que tem coragem de contar abertamente, bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, uma tristeza mesmo, a realidade de muita gente ainda. Obrigada linda pelo comentário.

      Excluir
  15. Olá Anna, que história comovente, realmente nos faz refletir muito sobre nossas atitudes, o que fazemos para ajudar, ou simplesmente só reclamamos de tudo em quanto alguns não tem nada... Muito bonito mesmo, esperarei ansiosa pela continuação...
    Abraçosss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada linda pela força, posto a continuação até semana que vem, bjinhos lilás.

      Excluir
  16. Belíssima história!!!!
    Amei... E me emocionei

    ResponderExcluir
  17. oi,seu texto é repleto de sentimentos,sincero e nos faz viajar enquanto nos mostra uma triste realidade.Fala com nossa alma,gostei muito.Quando me deparo com uma leitura que tenho que ler até fim,porque me prendeu,é tudo viu.Parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tania muito obrigada mesmo por seu comentário, bjinhos lilás <3

      Excluir
  18. Oi Anna,a história é muito emocionante,através do seu relato a gente pode sentir um pouco do que as pessoas que vivem nas ruas passam,como sofrem,como são maltratadas,infelizmente nossa sociedade é extremamente cruel e preconceituosa,e os políticos não estão nem aí para os menos favorecidos!Será que um dia isso vai mudar?
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana espero que algum dia mude sim, acho que podemos cada um tentar fazer nossa parte que acredito já haverá uma pequena mudança, bjs e obrigada pelo comentário!!

      Excluir
  19. Fiquei aqui com os olhos cheios de lágrimas!
    Você conseguiu encontrar seus irmãos perdidos?
    Nossa, vou acompanhar seu blog, quero saber tudo da sua história e acho esmo que vc deveria escrever um livro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana linda, prefiro contar sobre meus irmãos mais pra frente rsrsrs, aguenta só mais um pouquinho, pff <3. Fico muito feliz mesmo que vai continuar acompanhando o blog, bjinhos lilás! <3

      Excluir
  20. Olá Anna!Sua história sempre nos faz repensar na vida,emocionante,sofrida,guerreira e quando conseguir ler o final espero por uma vencedora.Bjss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada por acompanhar o blog minha linda <3

      Excluir
  21. Anna, estou com o coração apertado ao terminar de ler esse capítulo. São situações que acontecem todos os dias em nosso país, mas ao ler o texto nos sentimos vivendo a situação guiadas pelos olhos de uma criança. Com tantas coisas acontecendo na cracolândia e em tantos outros lugares, precisamos ter um olhar mais humanitário para essas crianças. Parabéns pelos textos.

    *☆* Atraentemente *☆*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada por seu comentário, sim tento escrever como me senti no momento que acontecia, com meu olhar de criança, é triste saber que tantas passam por isso hoje, estão crescendo sem amor, carinho, e proteção, infelizmente só encontram desprezo e preconceito, é a grande realidade. Obrigada por seu comentário!

      Excluir
  22. Esse relato tem tanta dor, tanta dificuldade, é cheio de sentimentos. Obrigada por compartilhar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que agradeço seu comentário, bjinhoss

      Excluir
  23. Oi,
    Pelo seu modo de se expressar pela escrita, conseguimos sentir o medo e todo o sofrimento que estava sentindo naquele momento.
    Cada vez mais envolvida pela sua história.
    Abrçs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico como agradecida por seu feedback, você como escritora dizer que gostou me deixa muito feliz mesmo!

      Excluir
  24. Belo texto que emociona, palavras fortes para situações iguais, uma grande verdade nos dias de hoje que muitos não conseguem enxergar

    Bjs (•_•)

    ResponderExcluir
  25. Que história de vida, eu só fiquei na dúvida (me desculpe mas ainda não li os posts anteriores) é sua história de vida? Se for menina quanto sofrimento, mas você já é uma vencedora, isso não tenho dúvida, mas caso seja um texto, quanta criatividade, infelizmente esses fatos acontecem na vida real, meu padrasto teve uma infância muito sofrida, não chegou a morar na rua mas passou fome e frio, desprezo das pessoas. Muito ruim isso, mas ele venceu e hoje vive bem graças a Deus.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá linda, sim minha vida, tudo aconteceu de verdade. Fico muito feliz por seu padrasto, ele soube aproveitar a experiência e tirou algo de bom nela para vencer!

      Excluir
  26. Olá,querida amiga!!
    Ansiosa para saber a continuação da história!!
    É muito corajoso da sua parte, escrever sobre fatos que aconteceram em sua vida,trechos com tantas emoções e sentimentos.Aguardando a continuação.Bjsss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo comentário linda, não deixe de conferir a continuação.

      Excluir
  27. Anna , fico arrepiada cada vez que leio seus textos ! sabemos que acontecem realmente esses fatos na vida de muitas crianças assim como aconteceram com vc e muitas vezes temos medo quando algum menino se aproxima do carro no semáforo devido a tanta violência neste país ,bjs e que Deus te abençoe sempre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendo o medo, realmente a violência está demais, mas os inocentes(aqueles que moram nas ruas e não roubam), sofrem com o preconceito. Acredito que todos só precisam de uma chance, uma oportunidade e claro de alguém que realmente acreditem neles para mudar sua história, espero que algum dia, essa realidade não passe de história. Muito obrigada por seu comentário!

      Excluir
  28. Adorei o texto Anna. É interessante saber mais sobre sua história, e sempre que nos mostra mais um capitulo dela é especial.

    ResponderExcluir
  29. Lindo texto,isso traduz nossa realidade

    ResponderExcluir
  30. Sério essa é mesmo sua estória? Muito comovente.Puxa nem sei o que lhe falar.Parabéns pela força e superação.Quero muito saber mais dessa estória.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim linda, minha história de vida, minhas experiências!

      Excluir
  31. Seus relatos são muito surpreendentes e muito fortes!
    Sua história serve de inspiração para muita gente q esta passando por algo igual e ter forsaa para sair dessa.
    bjus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada linda, espero poder ajudar alguém, mostrando que mesmo passando por dores terríveis, podemos superar e ser feliz, grata pelo comentário.

      Excluir
  32. Me emocionei quando li e a imagem do post é de se emocionar de verdade.
    Meus Parabéns tudo de bom para você ❣

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, também achei a imagem linda, muito obrigada, tudo de bom para você também!

      Excluir
  33. Oi Anna! Que história mais linda e emocionante! ♡♡
    Você escreve bem demais!
    Já vou agora ler a continuação.

    Amei demais!!! :)
    Beijos
    Lilica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada linda pelo comentário, quero vê se consigo fazer um curso de Português esse ano para melhorar a qualidade dos textos.

      Excluir
  34. Amei esse texto ❤ Palavras cheias de verdades e sentimentos. Sem contar que a historia é bem emocionante. Parabéns belo texto 👏👏👏

    ResponderExcluir